quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Alimentos à base de soja são realmente benéficos?


Padrão
Alimentos à base de soja são realmente benéficos?
São tantas as dúvidas e tamanha falta de consenso, que não considero mais o consumo regular, principalmente de bebidas à base de soja, com uma alternativa de alimentação saudável para minha família. Assim, trago algumas reportagens sobre o assunto, para que resumidamente possam ler e chegarem às suas próprias conclusões. É claro, fica a critério de cada família decidir o que considera melhor para os seus e ainda há uma série de outros trabalhos para serem lidos tanto contra quanto a favor.

Muitos estudos já realizados e outros ainda em curso apontam que a soja, como qualquer outro alimento, traz benefícios, mas pode ser prejudicial se consumida em excesso.

“Ela possui fitoestrógenos capazes de ajudar na queda do colesterol e na melhora da osteoporose. Pela quantidade de fitohormônios presentes, diminui os sintomas de TPM e menopausa. Pode também atuar na imunidade por causa de um aminoácido, a arginina, que entra na composição do óxido nítrico – substância importante produzida nas nossas artérias e veias, responsável pela vasodilatação e na prevenção da hipertensão”, explica Daniela Jobst, nutricionista funcional e membro do Instituto de Medicina Funcional, nos EUA.

A soja pode ser consumida de diversas maneiras na nossa alimentação. Jobst acredita que as melhores são em forma de tofu ou missô e, por último, em grão. “O ideal é consumir a soja fermentada. A fermentação neutraliza as toxinas presentes na soja”.

“Porém, o uso diário deve ser evitado para não sobrecarregar o organismo”, alerta a nutricionista funcional Carolina Baccei.

Segundo o médico Dr. Guilherme Oberlaebder, a maneira como se consome soja hoje, é excessiva. Além disso, o grão não é fermentado e é transgênico.

Mas não é só isso. Tanto as bebidas à base de soja quanto a própria carne de soja – muito propagada como saudável e substituta ideal para a carne animal – são feitas, segundo Oberlaender, de proteína texturizada de soja, um refugo da agroindústria, que antes era jogada fora ou dada para animais.

Resíduos da agroindústria não são necessariamente um malefício, porém, e em alguns casos é até bom que sejam reaproveitados, pois vários são ricos em nutrientes, e podem ser reutilizados se não para alimentação humana, ao menos para alimentação animal e até como adubo.

No caso da proteína texturizada de soja, porém, Oberlaender define como uma “proteína desnaturada, porque é processada em altíssima temperatura”. Este processo, explica, produz uma resina tóxica, chamada lisino-alanina, altamente cancerígena, e também libera altas quantidades de alumínio, um metal pesado que se deposita no sistema nervoso central, rins e medula óssea.

Além disso, o excesso de soja aumenta no organismo a presença de outra substância tóxica, o ácido fítico, que reduz a absorção de cálcio, magnésio, cobre e zinco, prejudicando principalmente o crescimento de crianças. “Tem também o inibidor da tripsina, que é uma enzima produzida pelo pâncreas que absorve proteínas e influencia no crescimento infantil”, explica Oberlaender.

Crianças, por exemplo, deveriam passar longe de bebidas à base de soja, em que pese toda a propaganda da bebida voltada ao público infantil”, diz Oberlaender.

O médico conta que, após a mídia ter passado a criticar duramente refrigerantes (que contêm excesso de açúcar, entre outros problemas), a indústria passou a investir no suco de caixinha como alternativa ao refrigerante.

Entre eles, o suco feito à base de soja.

Voltamos à mesma questão: “Essa soja usada no suco não é fermentada e é tirada da proteína texturizada de soja. Pegaram esse refugo, fizeram essa bebida à qual deram o nome de leite de soja, colocaram corantes e bastante açúcar, do mesmo modo que fizeram com os refrigerantes. E estão vendendo como se fosse uma bebida saudável.”

Puberdade precoce

“Pesquisas em animais trouxeram alguns indícios de que a isoflavona da soja, consumida precocemente ou em períodos críticos do desenvolvimento e em grandes quantidades poderia ser um desregulador endócrino”, afirma a nutricionista Mariana Del Bosco, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).
Porém, ela diz que não há evidências em humanos de que o consumo de soja possa causar anormalidade na produção dos hormônios sexuais. Os resultados das pesquisas que avaliam o risco da menarca precoce são controversos e mais pesquisas são necessárias para que se chegue a algum consenso.
Já Baccei é mais enfática: “Alguns estudos demonstram que altas doses de fitoestrógenos presentes na soja podem aumentar a chance de desenvolvimento sexual prematuro em meninas, pelo aumento de hormônio feminino na corrente sanguínea, e no retardamento do desenvolvimento sexual em meninos, pela inibição da produção de testosterona”. Por esses motivos, a especialista considera que a soja não deve ser utilizada nessa fase da vida.

Há outro estudo porém, publicado em março de 2002, no Best Practice & Research Clinical Endocrinology & Metabolism, mostrando que a incidência maior de puberdade precoce em meninas e meninos pode ser associada ao aumento da ingestão de fitoestrógenos, em especial por meio de fórmulas lácteas derivadas da soja. E acrescenta: “Outros estudos seguiram apresentando forte correlação entre a elevada ingestão de fitoestrógenos, pela população infantil, vítima de puberdade precoce”.
“Na minha opinião, ainda é precoce atribuir toda a responsabilidade à soja por essa tendência secular de antecipar a puberdade normal em meninas e meninos”, ressalta a médica Daniela Fernandes Telo. Segundo ela, outros fatores podem contribuir para isso, como a maior prevalência da obesidade na população infanto-juvenil – o tecido adiposo produz a leptina, hormônio conhecido como um dos iniciadores da puberdade, e a aromatase, enzima capaz de transformar hormônios masculinos em femininos. Ela também menciona como possíveis causas a apresentação de alimentos contaminados com hormônios sexuais e até a exposição exagerada da população infantil a programas com apelos sexuais.

http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/07/02/a-soja-e-vista-como-alimento-ideal-mas-em-excesso-pode-se-tornar-vila.htm
http://www.portalorganico.com.br/noticia/166/o-caso-do-suco-ades-e-a-overdose-de-produtos-a-base-de-soja-que-consumimos-atualmente

Por Marcia Moreno – formada em jornalismo, com pós graduação em marketing. Já atuou em vários veículos de comunicação, como jornal O Estado de S. Paulo, TV Bandeirantes, Canal 21, TV Cultura, UOL, Editora Globo – principalmente como repórter.

E por Tania Rabello jornalista do Portal Organico com a materia – O caso do suco Ades e a overdose de produtos à base de soja que consumimos atualmente

Colaboração: Dr. Messias A de Oliveira – Md. Pediatra