sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Castigo


Padrão
Castigo
Não me lembro de ter deixado meus filhos de castigo, nem mesmo de eu ter algum dia ficado, naqueles moldes do tipo: um mês sem sair de casa; um mês sem assistir TV…

Sempre coloquei meus filhos para “pensarem”, durante o número de minutos referente à idade que tinham, quando eram muito pequenos. Mais para acalmá-los do que por acreditar que iriam fazer um “mea culpa”. Depois deste “tempo de pensar” eu perguntava: e aí, qual é a sua conclusão sobre o que aconteceu? Dificilmente a resposta não era sincera, tanto em favor deles próprios, com em de terceiros envolvidos. Depois a segunda pergunta clássica: e o que você acha que eu devo fazer com você para que você aprenda a não fazer mais isto? A resposta geralmente era muito pior do que eu pensava em fazer.

Quando foram ficando mais velhos e mais vividos, esta estratégia já não funcionava, pois, tendiam a puxar a sardinha para seus próprios pratos.

Não concordo com castigo físico, mas às vezes chego a pensar que tem criança que pede pelo amor de Deus pra apanhar, de tanto que torra a paciência dos pais.

Mas vamos voltar ao que penso de castigos.

Todas as situações devem ser resolvidas no momento em que acontecem ou imediatamente após terem sido reveladas. Deve haver diálogo e ouvir as todas as partes envolvidas é crucial para haver imparcialidade.

Se considerar necessária alguma medida disciplinar, esta deve ter relação ao fato, assim fazendo sentido para que a criança entenda o que está acontecendo e porque está sendo castigada.

Por exemplo: se há uma regra na casa que todos têm que tirar os pratos da mesa e levar à pia, retirar os restos de alimentos para deixar pronto para colocar na máquina e a criança repetidamente descumpre este acordo, mesmo sendo relembrada do acordo, pode-se fazer com que ela durante alguns dias faça isso por todos os membros da família. Tem a ver com o fato e fará sentido, pois entenderá que ficou sobrecarregada, que era o mesmo que estava fazendo com outro alguém.

Ana Margarida Jabali Marques
Cirurgiã-dentista – odontopediatra
FORP – USP – 1082 – Ribeirão Preto – SP