quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Aprendizagem


Padrão
Aprendizagem
Dificuldades de Aprendizagem

A dificuldade de leitura e escrita, também conhecida como dificuldade de aprendizagem, é uma das patologias fonoaudiológicas que mais gera dúvidas em relação ao diagnóstico terapêutico, principalmente por não existir um consenso entre os autores sobre a caracterização de tal patologia.

Lidar com o insucesso escolar constitui-se em tarefa complexa e desafiadora para a qual não se tem ainda uma resposta acabada, o que aponta para a necessidade de buscar alternativas que possam minimizar tal situação . Apesar disso, a identificação de dificuldades de aprendizagem apresentadas por escolares vem crescendo e, consequentemente novas concepções sobre o processo de ensino/aprendizagem surgem, valorizando variáveis internas, como por exemplo, as expectativas e emoções tanto daqueles que ensinam como dos aprendizes.

Os anos iniciais de escolarização parecem ser cruciais, no que diz respeito a aprender a ler. As experiências de aquisições positivas de leitura, nos primeiros dois anos e meio de escolarização formal, são favoráveis para uma visão positiva do aprendiz sobre si mesmo.

Embora vários cientistas sejam unânimes na existência de múltiplas causas das dificuldades de aprendizagem, não existe consenso quanto às causas que são primárias e às que são subseqüentes, referindo à existência de fatores biológicos, destacando os fatores genéticos, pré, peri e pós-natais; fatores neurológicos e neuropsicológicos; e fatores sociais, como privação e classes sociais. A busca constante pelo conhecimento em relação aos problemas de leitura e escrita é crucial, porque existem problemas que estão relacionados aos aspectos da política educacional, ou ainda questões que se referem ao próprio processo de desenvolvimento do aprendiz, o que pode dificultar a realização de um diagnóstico diferencial.

Leia mais em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462007000400006

Do artigo: Dificuldade de aprendizagem: principais abordagens terapêuticas discutidas em artigos publicados nas principais revistas indexadas no LILACS de fonoaudiologia no período de 2001 a 2005


Tereza Cristina Ferraz de Lima I;
Ana Cláudia Rodrigues Gonçalves Pessoa II

I Fonoaudióloga; Clínica Tereza Ferraz de Lima
II Fonoaudióloga; Professora da Faculdade Integrada do Recife; Hospital Barão de Lucena em Recife – PE; Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco