sexta-feira, 11 de setembro de 2015

E se meu (minha) filho (a) não gostar de estudar 2?

Padrão
E SE MEU (MINHA)* FILHO (A)* NÃO GOSTAR DE ESTUDAR ?
(* vou escrever no masculino daqui para frente que é para ficar mais simples e também porque é muito chato ficar colocando estes parênteses com “minha, a”, depois de tudo que escrevo).

Lembra-se da dica que escola não é comodidade dos pais? Não se escolhe porque fica mais perto de casa, porque outro filho já estuda lá, etc. Se cada filho é diferente do outro, talvez a mesma escola não atenda às necessidades de cada um como indivíduo.

Outra coisa muito importante e que deve acontecer desde que a criança entra na escola e começa a trazer tarefa para fazer em casa é definir o local, que deve ser apropriado, bem iluminado e arejado, e o horário em que será realizada esta atividade. Isto é bacana porque faz com que a criança crie desde cedo o hábito de sentar-se numa determinada hora e fazer sua obrigação. Chama-se: disciplina!!

A criança que não gosta de estudar, possivelmente não está se interessando pela forma como o conteúdo é a ela apresentado, ou não tem maturidade para estar na turma onde foi matriculada, ou não há empatia com a professora e/ou colegas.

Maturidade! Vocês não teriam sido daqueles pais que adiantam seus filhos na escola, né? Tem criança que nem na idade preconizada, apresenta maturidade suficiente para estar onde está, imagina não tendo. A gente (Os pais) é que tem que ter clareza disto!!!!

Vale a pena ter uma conversa com a criança sobre a situação, de uma forma lúdica, para que ela, de sua maneira, lhe direcione ao foco do problema. Digo isto porque a curiosidade é inata da criança e é minimamente estranho uma criança simplesmente não se interessar por aprender.

Caso seja falta de maturidade, tomem a decisão o quanto mais cedo melhor, de reter a criança no mesmo ano, mais uma vez. Pode ser uma boa solução. Caso seja necessário e julguem melhor, troquem de escola. Caso não achem necessário, não vejo nenhum problema em permanecer na mesma escola, se esta é adequada às necessidades do seu filho. Uma vez retido precocemente, não restará trauma e as coisas se encaixarão com o tempo e com bastante facilidade. Uma boa conversa com a criança explicando o porquê da retenção é essencial, afinal é em casa que se ensina e que se mostra o que é honestidade, não é mesmo?

Protelar de enxergar a situação acima, só aumenta o sofrimento da família e da criança, desta última, principalmente. Ninguém gosta de ser visto como o atrapalhado ou incapaz de aprender da turma. É muito mais gratificante para o ser humano, ser visto como capaz e se identificar com esta figura. O reconhecimento da capacidade que temos é uma mola propulsora para outras conquistas ao longo da vida.

Se o problema não estiver na escola, nem na professora e/ou colegas, nem na maturidade, é possível que esteja em casa e se este for o caso, provavelmente os pais já desconfiavam. Assim, tratem de resolvê-lo e parem de dar munição para esta criança chamar a atenção com baixo desempenho escolar.


Quer aprofundar mais no assunto?

http://www.institutomillenium.org.br/artigos/como-os-pais-podem-ajudar-na-aprendizagem-dos-filhos/
http://www.institutomillenium.org.br/artigos/como-escolhi-escola-dos-meus-filhos/